“Afinal, talvez ainda vá escrever outro livro. Uma velha preocupação minha (porquê nunca houve uma greve numa fábrica de armamento) deu pé a uma ideia complementar que, precisamente, permitirá o tratamento ficcional do tema. Não o esperava, mas aconteceu, aqui sentado, dando volta à cabeça ou dando-me ela voltas a mim. O livro, se chegar a ser escrito, chamar-se-á Belona, que é o nome da deusa romana da guerra. O gancho para arrancar com a história já o tenho e dele falei muitas vezes: aquela bomba que não chegou a explodir na Guerra Civil da Espanha, como André Malraux conta em L’Espoir.”

José Saramago

15 de Agosto de 2009

Anotação presente em Alabardas, Alabardas, Espingardas, Espingardas (2014)

.

Embora estivesse, em sua primeira anotação, enganado a respeito da fonte de onde soube sobre a bomba que não explodiu em Milão, durante a Guerra Civil Espanhola – mais tarde, elucidado no texto de Fernando Gómez Aguilera, Um livro inconcluso, uma vontade consistente, presente na edição aqui referida -, Saramago apontou para esse norte aquele que foi o seu último projeto literário, infortunadamente interrompido por sua morte, em 2010. Alabardas, Alabardas, Espingardas, Espingardas, publicado pela Companhia das Letras em 2014, conta com textos de Fernando Aguilera, Luiz Eduardo Soares e Roberto Saviano, além de ilustrações de Günter Grass (o qual integra a capa do livro, imagem utilizada para o promocional do 24F, acima) e as anotações do próprio Saramago, transcritas de seus manuscritos. O enredo acompanha a vida de Artur Paz Semedo, empregado no setor de faturamentos em uma empresa de armamentos, a Belona S.A., em um relacionamento interrompido com sua companheira, Felícia, militante pacifista – cujo nome de batismo, emprestado de sua avó, fazia menção ao canhão utilizado para bombardear Paris na Primeira Grande Guerra,Berta – que, por coerência, decidiu separar-se do marido.

Em suas pouco mais de 50 páginas, o texto inacabado de Saramago traz uma informação interessante: uma lista de obras, que o narrador chama de “autêntico curso de estado-maior”, da pinacoteca pessoal de Paz Semedo. Essas películas, que retratam majoritariamente o cenário da Segunda Grande Guerra, foram o start para a criação de uma temporada do 24 Frames de Literatura exclusivamente sob a temática Literatura, Cinema e Guerra, utilizando-se dos elementos presentes em Alabardas, Alabardas, Espingardas, Espingardas para criar a sua sexta temporada, Alabardas, Alabardas. Os quatro módulos que compõem esse momento, inspirados no livro, contemplam a metodologia já estabelecida do 24F com algumas novidades, como os ambientes de brainstorming e as oficinas específicas de cinema adaptado. Os ciclo de debates, molde do qual nasceu o projeto, mantêm-se ativos, com dois módulos sobre, respectivamente, a Primeira Grande Guerra e suas antecessoras e Segunda Grande Guerra e suas sucessoras. As atividades começam dia 9 de abril, na Sala 1 do Lyceu Rio-grandense, com a vernissage de abertura do Cronograma 2016 do projeto. Os encontros são sempre abertos ao público, com entrada franca e sem inscrições.

VERNISSAGE | 09.04

SEXTA TEMPORADA | PRIMEIRO SEMESTRE

Por qual motivo nunca houve greve em uma fábrica de armamentos? Essa pergunta foi o início do que seria o último projeto literário do escritor português José Saramago. Lançado em 2014, 4 anos após sua morte, o livro Alabardas, Alabardas, Espingardas, Espingardas traz a história de Artur Paz Semedo, contador em uma fábrica de armamentos – Belona S.A. -, casado com a ativista Felícia. Dentre os inúmeros pontos interessantes de debate sobre essa obra está uma lista de filmes de guerra que o narrador cita, para o que ele chama, ironicamente, de “um autêntico curso de estado-maior”. Essa lista de obras, que retratam majoritariamente o ambiente da Segunda Guerra Mundial, foi o mote para a criação de uma temporada do 24 Frames de Literatura especificamente sobre a temática de Literatura, Cinema e Guerra. Todas as obras mencionadas no Módulo IV são retiradas do Alabardas, Alabardas, Espingardas, Espingardas. Os 4 módulos dessa, que já é a sexta temporada do projeto, fazem referência aos elementos do romance inacabado de Saramago: o primeiro, Berta, recebe o nome de batismo de Felícia, também conhecido por ser o nome de um modelo de canhão (Big Bertha); Alabardas, Alabardas, o próprio nome do livro, é a primeira parte do título (Alabardas, Alabardas – Espingardas, Espingardas); já Belona S.A. é a fábrica de armamentos na qual trabalha Artur; e por último, o quarto módulo recebe o nome de Espingardas, Espingardas, completando, assim, com a ambientação da Segunda Grande Guerra – e a lista de filmes do acervo de Artur no enredo -, a segunda parte do título do livro, quote retirado de uma peça de teatro de Gil Vicente, Exortação da guerra.


MÓDULO I – BERTA
[HQ 24F | 5 encontros]
Local: Lyceu Rio-grandense

A metodologia de trabalho do 24 Frames de Literatura segue uma estrutura de análise que obedece aos eixos roteiro, voz, frame, casting e graphic novel. Cada um desses campos de análise aprecia uma área de estudo das relações intermidiáticas: o roteiro problematiza a questão do “original x adaptado”; o voz expande o conceito de narrador para voz narrativa, identificando os agentes e as formas sob as quais podem se manifestar um texto na tela (off, over, subtítulo, soundtrack, etc.); frame identifica a imagem do cinema de uma maneira abrangente, uma vez que abarca as direções e as técnicas da construção fílmica; o casting não se restringe à personagem como habitualmente conhecemos, utilizando-se de personificações e cobrindo também as personagens animadas; e graphic novel é o próprio romance em banda desenhada, que merece destaque em relação às outras fontes de adaptações, necessitando de um eixo específico por trabalhar com uma linguagem diferente da Literatura, motivo pelo qual recebe um espaço só seu. Em Alabardas, Alabardas, Espingardas, Espingardas, a pacifista Felícia, esposa de Artur Paz Semedo, nasceu com o nome da sua avó, Berta. Acontece que, ironicamente, o nome Berta é muito conhecido por ser, justamente, o do canhão alemão utilizado para bombardear Paris na Primeira Grande Guerra. Mais que isso: o módulo recebe esse nome pelo fato de os eixos de análise, aqui descriminados, serem as ferramentas de trabalho do 24F, que estabeleceu em sua metodologia os eixos que melhor acomodaram a análise dos elementos adaptados para a sétima arte. Em cada um desses encontros os participantes poderão dialogar sobre as ferramentas cinematográficas – respectivas em cada eixo – mais recorrentes para a adaptação de elementos da semiótica textual para a imagética. Mais tarde, no Módulo III, esses conteúdos – até aqui teóricos – serão retomados na prática: da teoria da adaptação à prática de adaptação.

16.04 . ROTEIRO

23.04 . VOZ

30.04 . FRAME

07.05 . CASTING

14.05 . GRAPHIC NOVEL


MÓDULO II – ALABARDAS, ALABARDAS
[CICLO DE DEBATES – PRIMEIRA GRANDE GUERRA E SUAS ANTECESSORAS | 5 encontros]
Local: Lyceu Rio-grandense

Cavalo de Guerra | 2011, Steven Spielberg.

Glória feita de Sangue | 1957, Stanley Kubrick.

O Barão Vermelho | 2008, Nikolai Müllerschön.

Feliz natal | 2005, Christian Carion.

O espião negro | 1939, Michael Powel.


MÓDULO III –  BELONA S.A.
[MOSTRAS E BRAINSTORMINGS | 5 encontros]

Enquanto que o primeiro módulo apresentava a metologia utilizada pelo 24 Frames de Literatura (a ferramenta Berta), Belona S.A. faz referência ao primeiro título pensado por José Saramago, sendo a própria fábrica dos produtos: o nosso Laboratório 24F. Os 5 encontros práticos desse módulo serão a experimentação de um espaço de criação, pelo qual os participantes terão a oportunidade de produzir materiais que irão constituir a Mostra Audiovisual 24F. Em adaptação, os alunos terão oficina de adaptação, com técnicas de escrita e exercícios de tradução do texto para a imagem. No segundo encontro, argumento, os grupos começarão a se formar, com o intuito de se pensar a criação de um enredo, com personagem(ns) e espaços. A partir de roteiro todos deverão estar organizados para a equipe de produção, uma vez que o argumento que começou a ser criado (ou exercitado) será tratado quantas vezes for necessário – ainda que no decorrer do processo de produção – para ser gravado. Fotografia será o primeiro espaço de experimentação com a câmera, pensando-se aspectos técnicos da filmagem (cor, ISO, abertura do obturador, foco, enquadramento, movimentos de câmera, etc.). A gravação dos materiais será feita fora dos encontros, de maneira a que todas as ideias possam ser contempladas. Por fim, a montagem será o encontro de edição, utilizando os programas Adobe Premiere e Adobe AfterEffects.

01.10 . BRAINSTORMING I | ADAPTAÇÃO

08.10 . BRAINSTORMING II | ARGUMENTO

15.10. BRAINSTORMING III | ROTEIRO

22.10. BRAINSTORMING IV | FOTOGRAFIA

29.10 . BRAINSTORMING V | MONTAGEM

5.11 . MOSTRA AUDIOVISUAL  24F


MÓDULO IV – ESPINGARDAS, ESPINGARDAS
[CICLO DE DEBATES – SEGUNDA GRANDE GUERRA E SUAS SUCESSORAS | 5 encontros]

12.11 . Patton  | 1970, Franklin J. Schaffner.

19.11 . Pearl Harbour | 2001, Michael Bay.

26.11 . Uma batalha no inferno | 1965, Ken Annakin.

3.12 . À procura do soldado Ryan | 1998, Steven Spielberg.

10.12 . Nascido para matar | 1987, Stanley Kubrick.


Bibliografia:

Andre Gaudreault, From Plato to Lumière: Narration and Mostration in Literature and Cinema.

Andrew Dudley, As principais teorias do cinema.

Antonio Candido [et. al.], A personagem de ficção.

Brian McFarlane, Novel to Film: an introdution to the Theory of Adaptation.

Gilles Deleuze, A imagem-movimento.

Jean-Pierre Sarrazac, Léxico do drama moderno e contemporâneo.

Marcel Martin, A linguagem cinematográfica.

Michael Bakhtin, A estética da criação verbal.

Syd Field, Manual do roteiro.

Robert Stam, Teoria e prática da adaptação: da fidelidade à intertextualidade.

Terry Eagleton, Teoria da Literatura: uma introdução.

Umberto Eco, Semiótica e filosofia da linguagem.


Coordenação e conteúdo:

Prof. Dr. João Luis Pereira Ourique (docente | UFPel)

Carlos Ossanes (UFPel)


Banca:

Carlos Ossanes

Cássia Benemann


Organização:

Literatura

Amanda Alves

Bárbara Maldonado

Betina Lindemann

Carlos Ossanes

Carolina Guterres

Cássia Benemann

Fernanda Teixeira

Larissa Venzke

Patrícia Pereira

Priscila Chaves

Cinema

Bettina Wieth

Mateus Armas

Raul Paiva